Azeite, polenta e imigrantes

Era para ser um passeio rápido, intervalo entre avião e trem arrastando mala e mochila por alguma calçada histórica tirando foto de monumento pombo vitrine restaurante. Gênova é um Rio de Janeiro sem Pão de Açúcar nem Copacabana, uma cidade que despenca morro abaixo e acaba no porto. Eu estava a caminho de Imperia, cidade da região da Ligúria, para um encontro de degustadores de azeite e tinha apenas duas horas até o horário do próximo trem.

Desembarquei na estação central, atravessei a praça sob o olhar da estátua de Cristóvão Colombo e desci a via Balbi, onde fica o Palazzo Reale, construção de 1.618, auge dos anos dourados da cidade conhecida como Porta da Europa. À direita fica o complexo do porto novo. Um amontado de contêineres com 300 mil toneladas de azeite e vinho despachados anualmente da Itália para o mundo. À esquerda, o porto antigo, transformado em um complexo turístico que inclui restaurantes, lojas, um aquário e um museu. Imigrantes africanos ao celular vendendo quinquilharias.

Esfregando os olhos para espantar o sono, entro no Museo Galata Al Mare. Construído em 2004 para celebrar a história marítima da cidade, o museu possui um andar inteiro dedicado à história da imigração. E aqui o passeio virou pesquisa e terminou com eu chorando encostado no parapeito do terraço do museu.

Em 1.902 meus bisavós partiram deste porto para o Brasil. Giuseppe, 28. Concetta, 25. Maria Bernarda, 3. Filomena, 2. Miro o ponto de onde embarcaram e faço um esforço para imaginar como chegaram até Gênova. As colinas, terras e parentes que se distanciavam e o mar, o futuro e o Brasil (lugar de maravilhas). O sentimento flutuante entre saudade e medo antecipados.

Ou então não havia tanta saudade assim. O destino final era uma fazenda no interior de São Paulo. Pobreza por pobreza, a terra aqui era boa para milho: devem ter engolido a saudade com polenta e foram cuidar da vida, que logo nascia minha avó Emília (com quem pouco convivi e cujas lembranças incluem o frango com polenta quando eu a visitava).

Corre uma história na família que este avô trouxe consigo dois barris de azeite. Ao chegar, conta minha mãe, descobriu que o azeite estava estragado. A história tem cem anos, e não sei se eram mesmo dois barris e se a intenção era consumir ou vender aquele azeite. Nesta segunda hipótese, ele teria a mesma sorte e o sucesso do primeiro Matarazzo? E eu, estaria escrevendo este texto aqui numa padaria da Lapa ou em algum café de Paris?

umlitrodeazeite

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *